Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 10 de outubro de 2010

Bem querer!

      
    Às vezes nos surpreendemos com o próprio cotidiano e em algumas dessas vezes não conseguimos perceber que acontecimentos, coincidências, emoções e rotinas, necessariamente não têm que serem analisados como fatos ou fatores determinantes em nosso desejo de viver de igual para igual para conosco. Podemos agir com leveza e compromisso com tudo, todos e ao mesmo tempo conviver com nossa mais diferente maneira de sentir ou esperar que sintam por nós anseios até desconhecidos.
É preciso, pois que aprendamos a nos entender, nos educar, justificar sempre e principalmente nos defender menos, querendo sempre jogar para outros, como nós mesmos, sentimento como: cobiça vulgaridade e a tão desprezada falsidade que fazem com que julguemos que todos são algozes, só nós vítimas. Se pensarmos assim na realidade não existem algozes e sem eles quem seriam as vítimas? Infelizmente todos nós, pois com todo esse emaranhado o que adquirirmos é no mínimo perda de identidade e de poder de decifrar o que venha a acontecer em relação ao que queremos e sentimos, o que causará uma obrigação de vivermos não como queremos, mas como é conveniente.

8 comentários:

  1. Pois é. Perdi minha identidade e estou me condenando à falsidade e à vulgaridade.E isso não me convém.

    ResponderExcluir
  2. Palavras muito bem colocadas para interpletar o que sentem os covardes, que não tendo coragem de assumir o que sentem, enventam o que não sentem, tornando-se infeliz e causando a infelicidade dos outros.

    ResponderExcluir
  3. Estrela, somos todos assim, as diferentes sofrem mais, acredite e tenha fé, talvez a Fia, se não for a mais corvarde, seja uma das mais infelizes.

    ResponderExcluir
  4. Oi Melissa, sabes que sou diferente, porém igual, covarde! Talvez! Infeliz já estive, nunca fui.

    ResponderExcluir
  5. Estrela! A paixão nos permite perda de identidade e até vulgaridade, falsidade nunca.

    ResponderExcluir
  6. Por amar perdi a identidade e talvez tenha-me tornado vulgar.Porém, nunca usei de falsidade para com o meu amado.Mas estou usando de falsidade comigo mesma,no atual momento. Quanto a ser covarde, admito. Admito também a minha tristeza, mas não tenho o poder de causar infelicidade a ninguém.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Amiga!
    Que 2011 seja duas mil e onze vezes melhor q 2010. Bjocas.

    ResponderExcluir
  8. Meu nome é António Batalha, estive a ver e ler algumas coisas de seu blog, achei-o muito bom, e espero vir aqui mais vezes. Meu desejo é que continue a fazer o seu melhor, dando-nos boas mensagens.
    Tenho um blog Peregrino e servo, se desejar visitar ia deixar-me muito honrado.
    Ps. Se desejar seguir meu blog será uma honra ter voce entre meus amigos virtuais, decerto irei retribuir com muito prazer. Siga de forma que possa encontrar o seu blog.
    Deixo a minha benção e a paz de Jesus.

    ResponderExcluir